Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugueses na Holanda

O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa.

Portugueses na Holanda

O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa.

O Voo Baixo da KLM

Imagem de Cor Gaasbeek por Pixabay

 

Está ao rubro a guerra entre pilotos e o pessoal de cabine e terra na KLM.

O novo corona vírus atingiu a industria da aviação com uma força incomparável. Neste momento, está na mesa uma proposta do Governo holandês de 3.4 mil milhões de Euros, em forma de empréstimos de emergência e garantias de crédito, para ajudar a companhia. Dinheiro esse que não vem de graça. A ajuda tem a contrapartida de diminuir os salários mais altos em 20%. Cinco sindicatos, incluindo o de pessoal de cabine e de terra, já assinaram a proposta, mas é a Associação de Pilotos Aéreos Holandeses (VNV) que se recusa a assinar o documento. 

Os pilotos estão dispostos a abrir mão de 20% dos seus salários até 2022 e farão o que for preciso para salvar a KLM após esse período, mas não aceitam a proposta do Ministro das Finanças, Wopke Hoekstra, que estabeleceu uma exigência de um corte até 2025.

A VNV se recusa a assinar porque Hoekstra fez exigências extras no "último minuto." Segundo a Associação, "eles sentem que foram colocados em xeque porque, na sexta-feira, uma exigência salarial até 2025 foi repentinamente definida. Os pilotos precisam decidir em um dia se entregarão o equivalente a um salário anual, Ignorando por completo a suas situações pessoais. Eles podem ganhar bem, mas vivem de acordo."

 

"Arrogantes e Convencidos"

São estas algumas das palavras que se podem ler nos grupos privados nas redes sociais para funcionários da KLM. O pessoal de cabine e de terra estão contra a atitude dos pilotos, que não aceitam uma redução de salários, sendo que alguns desses salários podem atingir os 250.000 Euros anuais. Segundo eles, "neste momento, é melhor uma redução de salário do que um subsídio de desemprego."

A dureza das criticas são também elas visíveis nas cabines de voo dos aviões, onde foram colocadas mensagens:

"Em nome de todos os outros funcionários da KLM e suas famílias

OBRIGADO

Nos vemos no

UWV"

foto: Doron Sajet - Twitter

Lisette Ebeling, porta voz da KLM, diz que "estamos a seguir atentamente esta agitação dentro da organização. É difícil falar sobre o assunto, mas faremos os possíveis para evitar esta polarização de posições. Isto não é bom para ninguém."