Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugueses na Holanda

O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa.

Portugueses na Holanda

O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa.

O Colapso de Um Partido

foto: DWDD

 

FvD, Forum voor Democratie assiste a um êxodo de membros depois do conselho da direcção do partido pedir a expulsão do fundador e principal figura do partido Thierry Baudet. Pelo menos quatro figuras importantes e com cargos políticos apresentam a demissão. Um problema que começou na ala jovem do partido devido a mensagens anti semitas trocadas entre vários membros partidários, os quais Baudet protegeu. Vários membros do partido queriam a expulsão imediata do líder, mas em vez disso, os membros do conselho do partido ainda vão decidir.

O FvD foi fundado em 2016 por Thierry Baudet. Conservador e euro céptico, o jovem político de 37 anos cedo ocupou posição no parlamento holandês e senado. Com discursos e afirmações controversas e polémicas, é um critico do Islão, apoiante do pensamento que relaciona IQ e raça e recentemente foi também conhecida a sua tendência para seguir teorias de conspiração. No espectro político o FvD é por isso considerado um partido de extrema direita.

A Ala Jovem

A disputa explodiu no sábado passado, quando o jornal Parool publicou excertos de mensagens racistas e anti-semitas que circularam em grupos dirigidos pela ala jovem do partido JFVD durante o mês de Maio O partido expulsou três membros responsáveis pelo envio de algumas das mensagens, mas durante a semana descobriu-se que cinco dos denunciantes que levantaram a questão também foram expulsos. Baudet foi criticado por proteger o chefe da ala jovem, Freek Jansen, e por se recusar a remove-lo da lista de candidatos para as eleições do próximo ano. A imprensa holandesa relatou fontes dizendo que Baudet havia ameaçado renunciar se Jansen fosse forçado a sair.

Uma reunião do partido deve ser convocada a curto prazo, na qual os membros determinarão se a Baudet pode continuar a se denominar membro do FvD. Um conselho partidário completamente novo também será nomeado. Os actuais membros do conselho não se podem inscrever. Além disso, o conselho exige que Baudet não fale mais à imprensa e retire a sua proposta de organizar uma nova eleição para escolha de líder do partido.

O colapso do partido Forum voor Democratie continuou na quinta-feira, com o fundador Thierry Baudet agora exigindo que o dinheiro do partido e das plataformas sociais fossem divididos entre os dois grupos opostos. Baudet disse à emissora NOS que todos os que apoiam a sua linha de pensamento devem permanecer no Forum e os dissidentes - agora incluindo a maioria dos candidatos na lista do partido para as eleições gerais de Março, bem como senadores e outras autoridades locais - devem começar algo novo.


Mais Dissidentes

Annabel Nanninga (Senadora), Nicki Pouw-Verweij (Senadora), Joost Eerdmans (Deputado, n.º 4 na lista do partido para as próximas eleições legislativas) e Eva Vlaardingerbroek (n.º 5 do partido para as próximas eleições legislativas) são alguns dos nomes que assinaram uma carta na noite de quinta feira, retirando-se do partido e relatando o apoio de Baudet a teorias da conspiração e que quase todo mundo que ele conhecia era anti-semita. De acordo com a carta de Pouw-Verweij, Baudet disse que o coronavírus foi introduzido por George Soros para "roubar nossa liberdade" e que o vírus completaria o que "Hillary Clinton e os pedófilos falharam em fazer". Ambas as ideias derivam das teorias de conspiração da Qanon dos Estados Unidos.

Pouw-Verweij e Nanninga continuarão nos seus cargos políticos, mas sob sua própria bandeira. Nanninga permanecerá como membro da assembleia municipal de Amsterdam, representante pela Noord-Holland e manterá sua cadeira no Senado.

Assim como Pouw-Verweij, Eerdmans e Vlaardingerbroek eram também candidatos às próximas eleições legislativas, mas que agora, não o serão, pelo menos pelo FvD.  

Em comunicado, os quatro afirmam não querer ser membros de um partido que "tolera visões extremistas". “Estamos muito desapontados com o comportamento do líder do nosso partido que não quis limpar a casa. Em vez disso, ele assumiu uma posição imprevisível e completamente a solo. A crítica interna - que sempre fizemos no interesse do bom nome do nosso partido - infelizmente não produziu nada ”.

O quarteto sentiu que havia motivos suficientes para expulsar Baudet imediatamente por "má administração" e pelas declarações que ele supostamente fez. De acordo com eles, a actual direcção do partido simplesmente "jogou a toalha" ao não se pronunciar sobre o assunto e de não expulsar de imediato o líder e fundador do partido. Já mais tarde, Astrid de Groot anunciou a sua saída do conselho de direcção do partido. A saída de Astrid beneficiou Baudet, que conta agora com um empate nos votos que determinam a sua saída ou permanência do partido.

Saídas Locais

Seguindo Nanninga, outro membro da assembleia de Amsterdam, Kevin Kreuger, também anunciou que se separaria do partido e continuaria como independentemente. 

Na província de Flevoland, cinco dos seis representantes também deixam o Forum, anunciou o presidente do grupo parlamentar, Gert-Jan Ransijn, à  Omroep Flevoland . Eles não acreditam que a direcção nacional do partido dará uma boa solução para a crise que surgiu. Isto aplica-se também ao partido em Overijssel, de onde saem quatro dos cinco membros.