Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugueses na Holanda

O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa.

Portugueses na Holanda

O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa.

Exercito Reúne Dados em Grande Escala Sobre Grupos de Desinformação

foto: Pexels via Pixabay

 

Desde o início do surto de covid-19 nos Países Baixos, as Forças Armadas holandesas reuniram secretamente dados em grande escala sobre a sociedade holandesa e realizaram relatórios sobre o assunto, escreve o jornal NRC, com base em suas próprias pesquisas e investigações.

Diz a investigação que as Forças Armadas estudaram durante vários meses grupos sociais como o "Viruswaarheid", movimento que não acredita na severidade da pandemia e é contra as medidas que limitam a liberdade individual, e os "Gele Hesjes", versão holandesa do movimento Coletes Amarelos. Outros grupos alternativos como o "Jensen.nl" e "Apekool", grupos de partilha e debate de teorias de conspiração, foram também monitorizados nos pontos de distribuição e edição do "De Andere Krant", uma publicação em papel onde (des)informam os seus membros e sociedade. Também os incêndios nas torres de transmissão 5G foram mapeados e relatados.

Esta foi a conclusão do jornal após a reconstrução da informação do Land Information Maneuver Center (LIMC), unidade criada pela Defesa em Março para mapear a disseminação da desinformação sobre a pandemia.

Conclusão das Investigações

Uma força militar que conduz uma investigação em sua própria população e em seu próprio território é controversa. Às forças armadas não é permitida a sua actuação em território nacional. Podem trabalhar em parceria com a Polícia, um ministério ou serviço de inteligência, mas apenas por solicitação e supervisão dessas entidades. Neste caso, os militares do LIMC actuaram por sua própria iniciativa. De acordo com o historiador militar Christ Klep, "é a primeira vez que um serviço militar é usado estruturalmente para a colecta em grande escala de inteligência, que na verdade se destina a fins civis". Em princípio, Christ Klep pensa que esta "não é uma tarefa das forças armadas".

De acordo com o NRC , as análises do Exército teriam sido compartilhadas, por exemplo, com o coordenador de terrorismo NCTV e a Polícia Nacional.

O jornal escreve: "Além de fontes abertas, o LIMC também usa fontes semiprivadas, análises comportamentais e informações de ligações militares em, por exemplo, hospitais e lares de idosos. Fontes confidenciais também são mencionadas em documentos, como o sistema interno de registo policial e um relatório técnico em um ministério, ligação traçada através de um tweet de Geert Wilders, do partido PVV", disse o NRC.

As Forças Armadas negam ao NRC que as análises tenham sido compartilhadas externamente. De acordo com o LIMC, apenas fontes públicas foram utilizadas para as análises e que os militares não tinham autorização para monitorizarem secretamente indivíduos, mas apenas artigos e comentários online e abertos ao público nos referidos grupos. 

Em resposta às conclusões da investigação do NRC, a deputada parlamentar do D66, Salima Belhaj, considera as actividades do LIMC como "preocupantes". “As Forças Armadas não devem assumir nenhuma função policial”, acredita Belhaj. Ela pede agora um debate parlamentar sobre este assunto.