O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa. Também pelo Facebook em www.facebook.com/portuguesesholanda
publicado por Alvaro Faustino, em 08.03.17 às 17:50link do post | | adicionar aos favoritos

De forma a assinalar o Dia Internacional da Mulher, quero destacar estas seis mulheres holandesas, de que uma forma ou outra, foram memoráveis pelos seus feitos e acções.

 

Kenau Simonsdochter Hasselaer (1526 – 1588)

Kenau Hasselaer, a mulher guerreira, retrato de Pieter Anthony Wakkerdak 

Uma mercadora de madeira da cidade de Haarlem. Entre a verdade e o mito, ficou conhecida durante o cerco espanhol à cidade de Haarlem em 1573. De forma a proteger a cidade, toda a população foi chamada para as fileiras. Homens, mulheres e crianças ajudaram à defesa das fortificações contra os canhões espanhóis. O nome de Kenau ficou registado num relato anónimo, que refere um mulher sem medo, que trabalhou dia e noite, na entrega de madeira e terra para fortalecer as fortificações. Conta a lenda, que no dia em que a cidade caiu nas mãos espanholas, ainda enfrentou os soldados, à frente de um pequeno exército de 300 mulheres.

 

Anna Maria van Schurman (1607 – 1678)

Anna Schurman, a brilhante. Pintura a óleo de Jan Lievens 

Foi a primeira mulher a frequentar uma universidade na Holanda. Possivelmente até da Europa. Aos quatro anos já sabia ler. Foi pintora, escultura, poeta e uma destacável estudante. Falada 14 idiomas entre o Grego, Latim, Hebreu, Árabe, Aramaico e Etíope. Muito inteligente pelos padrões do século XVII. Lutou pelo direito à educação para as mulheres, mas não conseguiu graduar-se na universidade, mesmo tendo sido a mais brilhante aluna do seu tempo.

 

Aletta Henriëtte Jacobs (1854 – 1929)

Aletta Jacobs, a implementadora 

Ao contrário da anterior, Aletta foi a primeira mulher a frequentar uma universidade e a conseguir a sua graduação, com um doutoramento em medicina. Para além de introduzir o feminismo na Holanda, também implementou o controlo natalício e a assistência médica aos carenciados. Juntamente com o criador W.P.J. Mensinga, foi uma das pessoas que ajudou a desenvolver o diafragma como método contraceptivo.

 

Nancy Sophie Cornélie (Corry) Tendeloo (1897 – 1956)

 Corry, a Lutadora

Foi uma das maiores lutadoras na Holanda pelos Direitos da Mulher. Tendo nascido na Indonésia, na altura, colónia holandesa, veio para Amsterdam onde se formou como advogada. Com um discurso assertivo, foi subindo igualmente numa carreira política, onde exigia salários iguais para ambos os sexos e o direito a uma mulher seguir uma carreira profissional. A lei nesta altura na Holanda, proibia uma mulher casada de exercer uma profissão. Infelizmente faleceu antes de ver o seu sonho concretizado. A lei foi abolida um ano após a sua morte, em 1957.

 

Jannetje Johanna Schaft (1920 – 1945)

Hannie, a Rapariga do Cabelo Vermelho, a rebelde 

Comunista lutadora pela Resistência Holandesa durante a 2ª Guerra Mundial. O seu nome de código era Hannie, também com um livro e um filme que contam a história da Rapariga do Cabelo Vermelho, como ficou conhecida. Para além de lutar contra os nazis, ajudava judeus a esconderem-se, a fugirem ou simplesmente, na entrega de senhas de ração para alimentação. Procurada pelos nazis devido aos seus atentados e ataques eficientes, foi capturada em 21 de Março de 1945 na cidade de Haarlem, onde, mesmo desobedecendo a um acordo e ordens superiores, que não permitiam o fuzilamento de mulheres, foi morta pelas balas nazis. Supostamente, mesmo antes da ordem de fogo, disse em tom provocatório aos seus executores, "atiro melhor que tu".

 

Annelies Marie Frank (1929 – 1945)

Anne Frank, a sonhadora 

A mais famosa e conhecida mulher na Holanda e do Mundo: Anne Frank. Com o sonho de ser uma escritora, aos 13 anos foi obrigada a esconder-se num anexo na cidade de Amsterdam. Aos 15 anos, o esconderijo foi descoberto e ela e toda a sua família foi capturada pelas tropas nazis. Faleceu com 15 anos num campo de concentração, dias antes da libertação da Holanda pelas tropas Aliadas. Durante estes dois anos em que esteve escondida, escreveu um diário, que mais tarde o seu pai Otto o publicou. Hoje, "O Diário de Anne Frank" é traduzido para mais de 60 idiomas e é um dos mais famosos e vendidos em todo o Mundo.

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


Entre em Contacto
Portugueses na Holanda no Facebook
pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Links de Interesse
blogs SAPO