O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa. Também pelo Facebook em www.facebook.com/portuguesesholanda
publicado por Alvaro Faustino, em 10.08.14 às 14:32link do post | | adicionar aos favoritos

 

          No jogo politico de boicotes entre a União Europeia e a Rússia, que veio a ser agravada por parte da Holanda com a queda do avião malaio na Ucrânia, ao que tudo indica, abatido por um míssil russo nas mãos de separatistas pró-russos, começam agora a chegar as facturas desta situação para pagar. A Rússia, em resposta ao boicote, veio também ela boicotar a importação de produtos europeus.

Empresas holandesas já começaram a sentir os efeitos deste boicote russo, entre elas as estufas de tomate Zwinkels em Zevenhuizen, arredores de Rotterdam.

 

Robert Zwinkels e os seus dois irmãos, iniciaram este negócio nos anos 80 e contam com duas estufas de tomate que perfazem 140.000 metros quadrados. Desta área, cerca de um terço era destinada à exportação para a Rússia que neste momento não acontece devido ao boicote de Putin a produtos alimentares europeus. 

Segundo Zwinkels, "há duas semanas atrás, o preço do tomate situava-se nos 60 cêntimos/quilo, um preço normal de mercado, mas neste momento desceu abruptamente para os 10 cêntimos/quilo".

A razão por tão acentuada queda no preço deve-se ao facto de a Rússia ter boicotado também na semana passada a importação de produtos da Polónia. Assim sendo, os produtores de tomate polacos procuraram o mercado alemão, havendo mais oferta de produto e fazendo com que o preço caí-se.

Ora o problema dos produtores holandeses, segundo o empresário e produtor, está em "não poderem colocar mais oferta no mercado alemão devido já aos baixos preços que não dariam nem para cobrir o investimento de uma colheita e o mesmo aconteceria em outros mercados. Colocar mais oferta em outros mercados iria originar o mesmo problema nesses países, não só para os produtores holandeses, mas também para os do próprio país".

 

Segundo Zwinkels, outro problema com o boicote russo foi a altura do ano. "Nesta altura de férias existe já naturalmente um excesso de produtos nos mercados mas que é escoado durante o período de Inverno". Diz ainda que este "é um problema político e por isso devem estes mesmos políticos a ajudar os vários sectores afectados por estes boicotes. Não devem ser os produtores a pagar a factura da politica".

 

O partido holandês VVD fez já saber que deverá haver um trabalho em conjunto com todos os países europeus de forma a encontrarem uma solução para as contra medidas da Rússia. O CDA quer que se inicie um fundo de investimento de emergência de forma a ajudar os produtores afectados. E também o PvdA diz ser importante que toda a Europa fale a uma só voz em reacção ao boicote de produtos europeus por parte da Rússia.

 

"Se estas consequências não forem absorvidas pela União Europeia e pelos Governos, não irá demorar muito até que vejamos os primeiros produtores a fecharem portas". Em relação à sua própria empresa, Zwinkels diz que, "se não vendermos o nosso produto, naturalmente não temos dinheiro para pagar as nossas despesas".

 

Noticia original:

Metro Nieuws (holandês)

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Portugueses na Holanda Email

Portugueses na Holanda Comentários no Blog e Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


Entre em Contacto
Portugueses na Holanda no Facebook
pesquisar
 
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22

24
25
27
28
29
30

31


Links de Interesse
blogs SAPO