O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa. Também pelo Facebook em www.facebook.com/portuguesesholanda
publicado por Alvaro Faustino, em 29.10.12 às 14:19link do post | | adicionar aos favoritos

 

Chego à Holanda no ano de 2006. Ás 17h30, enquanto conduzo os últimos quilómetros de auto-estrada, vejo a cidade de destino em frente: Rotterdam. Entro, pelo lado sul, pela Dorpsweg em Charlois e logo ali tudo me parece diferente daquilo que estava habituado. Perto do Maastunnel estaciono finalmente pela última vez nesta viagem de Portugal à Holanda. Estou exausto, foram dois dias de viagem num pequeno Clio com a minha esposa e mais um conhecido e as nossas tralhas, apenas eu como condutor. Espanha não pareceu longa, talvez ainda pela frescura da viagem, mas assim que entramos em França e passamos Bordeaux, já noite, o cansaço começa a apertar e mais à frente durante a já madrugada, o nevoeiro vem dar uma ajuda à perigosidade da situação. Achei por bem parar, apenas para fechar os olhos por algumas horas, retomando a viagem já de manhã cedo, com o dia ainda a despontar do horizonte. Uma refrescada à cara, esticar as pernas, comer algo e beber uma bebida quente e a viagem continua. Passamos Paris por volta das 13h00, passamos a Bélgica horas depois e finalmente ás 18h00 locais chegamos ao nosso destino.

Ficamos instalados na casa da empresa, gentilmente partilhada connosco por quem já lá vivia e nos arranjou a oportunidade. Os dias seguintes foram passados a conhecer as redondezas, a tratar de tirar o SoFinummer para podermos trabalhar, a abrir a conta bancária e a conhecer as nossas tarefas e obrigações no trabalho. O seguro, esse ficou para mais tarde. Iria arriscar trabalhar sem seguro, uma despesa alta para quem recomeça uma vida aqui.

 

Comecei por fazer algumas limpezas nas estufas, com um horário das 7h00 ás 17h00, com duas pausas de 15 minutos na meia manhã e meia tarde e uma pausa de 30 minutos para almoçar. A época baixa tinha acabado de começar e como tal, nem sempre alcançava as 40 horas semanais e com muitas mudanças a meio da semana para outras estufas, mas este era o trabalho que me estava destinado para já. Fiquei responsável também pelo transporte dos colegas portugueses que comigo trabalhavam. Era bom porque me garantia uma maior facilidade de me manter no trabalho, já que ter carta e disponibilidade de conduzir eram coisas que a empresa procurava. Por outro lado, ter de acordar ás 4h30/5h00 para iniciarmos a nossa ronda pelas várias moradas, numa altura do ano que o frio começava a fazer-se sentir e eu nada habituado a estas condições e onde as horas diurnas eram cada vez mais pequenas, eram factores contra. O trabalho pelo menos era abrigado, pesado, sujo, onde não entendia uma palavra de holandês, apenas aquelas coisas que se aprende quando se chega a um país novo, como o "dank je wel" ou o "tot morgen", mas pelo menos não se apanhava chuva ou neve que caísse e com o inglês fui aprendendo e conversando com os holandeses.

Estranhei um pouco a condução na Holanda e principalmente na cidade, não conhecia as ruas, as avenidas, os melhores caminhos a tomar. Depois tínhamos o problema da circulação das bicicletas, das suas prioridades na rua, o trânsito caótico e filas intermináveis da cidade. Tudo isto fez com que ás vezes houvessem situações mais azedas, não com quem circulava na estrada, mas sim com quem circulava comigo dentro do carro da empresa. - Porquê que as pessoas em vez de ajudarem, darem a conhecer alternativas, nos criticam tão severamente e nos deixam ainda mais nervosos do que já estamos por não conhecermos as coisas? - Perguntava para mim mesmo. Mais tarde, consegui um GPS para me ajudar na navegação, a quem agradeço aos meus companheiros de habitação.

 

Entretanto chega o Natal e com ele a vontade de o passar com a família, saudade era um sentimento com o qual ainda não sabíamos como lidar.  Não passou muito tempo desde que começamos ambos a trabalhar a ganhar á volta de 200 Euros por semana, a pagar a nossa nova vida aqui e as obrigações que deixamos em Portugal, mas conseguimos juntar algum para viajarmos de volta e passar o Natal com a nossa família.

A viajem de regresso começou a 21 de Dezembro e também se fez de automóvel, desta vez com a minha esposa e mais dois colegas que trabalhavam connosco na empresa e mais um carro, das pessoas que vivam na mesma casa. Como as malas a transportar eram menos, houve espaço para mais um, até para ajudar nas despesas da viagem. E que má experiência tive na viagem.

Devido ás condições atmosféricas na França, a poucos quilómetros da fronteira com a Espanha, o carro tem uma avaria que o impossibilita de andar. Estávamos na França, sem transporte e com o seguro em Portugal a dificultar-me a vida. Com voos e carros para alugar esgotados devido a um grande acidente em cadeia, fomos obrigados a pernoitar num hotel e esperar pela manhã, a chegada de um carro enviado de Portugal pelo seguro. Chegamos a casa, em Portugal na tarde de 24 Dezembro, felizmente ainda a tempo de passarmoso primeiro Natal em Portugal como emigrantes, na companhia da família.

 

Para continuarem a seguir esta comunidade, esclarecer dúvidas, fazer perguntas ou simplesmente ajudar, sigam-nos aqui neste Blog Portugueses na Holanda e também pelo Facebook na página Portugueses na Holanda Facebook para se manterem a par das actualizações, notícias, curiosidades e informações.


publicado por Alvaro Faustino, em 27.10.12 às 16:24link do post | | adicionar aos favoritos

 

Tal como no resto da Europa, também a Holanda muda a hora na próxima madrugada, para a chamada Hora de Inverno. Devido ao fuso horário que o país atravessa, esta mudança terá lugar ás 3h00 da noite de Sábado para Domingo, onde atrasa os relógios uma hora, para as 2h00.

 

 

Para continuarem a seguir esta comunidade, esclarecer dúvidas, fazer perguntas ou simplesmente ajudar, sigam-nos aqui neste Blog Portugueses na Holanda e também pelo Facebook na página Portugueses na Holanda Facebook e mantenham-se sempre a par das actualizações.


publicado por Alvaro Faustino, em 26.10.12 às 16:30link do post | | adicionar aos favoritos (1)

Informe-se antes de partir.

 

 

Com o apoio das Comunidades Portuguesas, Segurança Social, Instituto da Segurança Social IP, Instituto do Emprego e Formação Profissional IP e a Autoridade Para as Condições do Trabalho, faço a transcrição da brochura "Trabalhar no Estrangeiro" emitida por estas entidades.

 

 

 

TRABALHAR NO ESTRANGEIRO

 

Trabalhar noutro país implica desafios para os quais tem de se preparar de forma adequada, como sejam, entre outros: a adaptação a uma nova cultura, conhecimento de outra língua, vinculação a um regime laboral diferente e a sistemas de proteção social e de saúde distintos, os quais constituem condições cuja ponderação é essencial à sua decisão.

 

PROCURAR EMPREGO

 

Antes de tomar a decisão de ir trabalhar no estrangeiro conheça as oportunidades de trabalho e as condições de vida nos países de destino.

Se a sua opção recai em países da União Europeia/Espaço Económico Europeu e Suíça, aconselha-se a consulta a:

 

. Portal Europeu da Mobilidade Profissional

. Website do EURES Portugal

. Direção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas

 

Se a sua opção recai em países terceiros, aconselha-se a consulta a:

 

. Instituto de Emprego e Formação Profissional

. Embaixadas dos países de destino.

. Direção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades

 

Se está desempregado e a receber subsídio de desemprego, pode procurar trabalho noutro país da União Europeia, do Espaço Económico Europeu ou na Suíça pelo período de 3 a 6 meses mantendo o direito ao subsídio de desemprego, desde que cumpra certas condições.

 

Para mais informações, consulte a site da Segurança Social ou dirija-se ao Centro Distrital do Instituto da Segurança Social, da sua área de residência.

 

Se não está a receber subsídio de desemprego e quer procurar trabalho noutro país da União Europeia ou fora da União Europeia, deve dispor de um rendimento suficiente para se sustentar sem necessidade de apoio financeiro e para regressar a Portugal se não conseguir encontrar emprego durante a estadia permitida.

 

 

Se num processo de recrutamento para trabalhar no estrangeiro lhe for solicitado o pagamento de um valor pecuniário pela prestação de qualquer serviço de mediação ou aquisição e/ou tratamento de documentação, deverá confirmar junto da Embaixada do país de destino se tal procedimento é legitimo antes de realizar o pagamento.

 

 

ANTES DE ASSINAR O CONTRATO DE TRABALHO 

 

Deve recolher informação sobre:

 

1- Se a empresa está legalmente constituída:

. empresas localizadas em Portugal

. empresas de trabalho temporário localizadas em Portugal

. Embaixadas, Consulados e empresas localizadas fora de Portugal

2- O empregador.

3- O local de trabalho.

4- A forma de contratação no país de destino.

5- O valor, a periodicidade e forma de pagamento da retribuição.

6- A existência de valores estabelecidos como retribuição mínima nacional ou setorial.

7- O reconhecimento prévio da profissão ou obtenção de documento especifico de entidade representativa da profissão que condicione o seu exercício.

8- O periodo normal de trabalho (número de horas que o trabalhador se obriga a prestar) diário e semanal.

9- O horário de trabalho.

10- O seguro de acidente de trabalho.

11- As condições de proteção social (nomeadamente quanto a situações de doença).

 

ACONSELHA-SE QUE Á DATA DE PARTIDA JÁ TENHA UM CONTRATO DE TRABALHO ASSINADO

 

 

SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

 

Para ter acesso a cuidados de saúde no estrangeiro em caso de necessidade deve:

 

. Ser portador do Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD), caso se desloque para um Estado-Membro da União Europeia ou Espaço Económico Europeu ou para a Suíça.

. O CESD pode ser pedido através do site da Segurança Social, opção formulários, no Centro Distrital do Instituto da Segurança Social da área de residência, ou pelo telefone 808 266 266, dias úteis das 8h00 ás 20h00.

. Ser portador do respetivo formulário, caso se desloque para outros países com os quais Portugal tenha celebrado um Acordo sobre Segurança Social que preveja a concessão de cuidados de saúde em caso de necessidade.

 

Para mais informações sobre os países em causa, consulte o site da Segurança Social ou dirija-se ao Centro Distrital do Instituto da Segurança Social da sua área de residência.

 

 

SOBRE OS IMPOSTOS

 

Pelo facto de sair do país para trabalhar não significa que não mantenha obrigações perante as autoridades tributárias portuguesas.

As pessoas que deixem de ser fiscalmente residentes em Portugal ou se ausentem do território português por um periodo superior a seis meses estão ainda obrigadas a designar um representante fiscal junto da Autoridade Tributária e Aduaneira. Esta obrigação não se aplica às pessoas que sejam residentes de, ou se desloquem para, um Estado-Membro da UE/EEE, caso em que a designação de um representante fiscal é facultativa.

Para mais informações consulte a site Autoridade Tributária e Aduaneira

 

 

AO CHEGAR AO PAÍS DE DESTINO, INSCREVA-SE NO CONSULADO PORTUGUÊS DA ÁREA EM QUE VIER A FIXAR A SUA RESIDÊNCIA.

 

 

CONTACTOS

 

Em Portugal

 

>Direção Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas

dsr@dgaccp.pt

Lisboa

Av.Infante Santo, nº42 1350-179 Lisboa

Telefone - 213 946 901/92.Fax - 213 946 980 (9h00-17h30)

 

Porto

Rua do Rosário, nº135 4050-523 Porto

Telefone - 223 395 450.Fax - 223 395 454 (9h00-17h30)

 

>Gabinete de Emergência Consular

Telefone - 213 946 901/92.Fax - 213 946 980 (9h00-17h30)

Telefone de Emergência - Atendimento 24 horas 707 202 000

Telefone de Emergência - Atendimento 24 horas 961 706 472

 

>Gabinetes de Apoio ao Emigrante

 

>Instituto de Emprego e Formação Profissional

Rua de Xabregas, nº56 1949-003 Lisboa

Telefone - 218 614 100.Fax - 218 614 604 (9h00-17h30)

Coordenação: Telefone - 218 614 525 Fax - 218 614 604

 

>Autoridade para as Condições do Trabalho

geral@act.gov.pt

Avenida Casal Ribeiro, nº18A 1000-092 Lisboa

Telefone - 213 308 700.Fax - 213 308 706 (9h00-17h30)

 

>Instituto da Segurança Social

Telefone - 808 266 266 (8h00-20h00)

Do estrangeiro - +351 272 345 313 (8h00-20h00 GMT)

 

No estrangeiro

 

>Postos Consulares

Telefone - 213 946 901 (9h00-17h30)

 

>Serviços de Ligação da Autoridade para as Condições de Trabalho local

Em caso de destacamento na União Europeia

 

 

 


publicado por Alvaro Faustino, em 26.10.12 às 12:05link do post | | adicionar aos favoritos

Um aviso de tempestade é dado na Holanda, com ela um aviso de maré viva causada por ela. O Mar do Norte está revolto e com as suas águas a subir devido à frente de baixa pressão e aos ventos fortes que sopram em direcção à costa. Soa o Alarme Nacional de Emergência: A Tempestade Perfeita está a caminho:

 
Todos são aconselhados a manterem-se em casa, portas e janelas fechadas, gás, água e electricidade desligados, manterem um pequeno rádio a pilhas perto para irem ouvindo e seguindo as instruções das autoridades. Cobertores, comida e água reservadas para emergências prontas e esperar pelo melhor.
 
O vento ganha força, as águas continuam a subir e quando atingem o valor de 3 metros acima do nível de segurança, o computador dá a ordem e o tráfego naval é interrompido. O Deltawerken entra em funcionamento:
 
As comportas ao longo do local em perigo são fechadas, impedindo assim o avanço das águas terra adentro. A tempestade continua a ser monitorizada e caso as comportas não sejam suficientes para manterem as águas fora das regiões mais habitadas, começam os reforços dos diques e a evacuação de algumas regiões pré-definidas para uma 2ª fase da emergência: o alagamento propositado de algumas zonas. Zonas interiores são alagadas propositadamente com a intenção de retirar pressão ás zonas afectadas pela subida das águas, dando assim mais espaço horizontal para as águas se espalharem. Caso tudo falhe, este resultado pode de novo acontecer:
 
O Projecto Deltawerken, nasceu desta catástrofe natural em 1953 e ficou concluído em 1997. Graças ao projecto, foram criados sistemas de emergência, onde entram instituições como bombeiros, polícia, hospitais, Cruz Vermelha, exército, força aérea, marinha, várias secções governamentais e muitos voluntários. Foram reforçados diques, criadas barreiras e instaladas comportas ao longo da costa e dos canais holandeses com vista a suportar aquilo que chamam A Tempestade Perfeita, que dizem ser provável a cada 10.000 anos e segundo as observações e estudos, o tempo está já em contagem decrescente. Com isto, temos também o aumento do nível do mar, pondo ainda mais em perigo este país. Por isso, o país tem um orçamento de 10 biliões de Euros (sim, biliões. 10 000 000 000 000 €) para os próximos 50 anos, para o reforço e o melhoramento das barreiras de protecção.
 
De lembrar que 60% da população na Holanda, vive em zonas abaixo do nível do mar e que 40% do território está em zonas mais baixas ou ao mesmo nível.
A Tempestade Perfeita pode causar mais de 2.000.000 de vitimas e estragos no valor de mais de 120 mil milhões de Euros:
 
Isto não serve para assustar, mas sim relembrar a realidade de um país. Este projecto é considerado uma das 7 maravilhas de engenharia do mundo moderno, mas nunca convém esquecer que a nossa vida é governada pela Natureza.
 
Para continuarem a seguir esta comunidade, esclarecer dúvidas, fazer perguntas ou simplesmente ajudar, sigam-nos aqui neste Blog Portugueses na Holanda e também pelo Facebook na página Portugueses na Holanda Facebook e mantenham-se sempre a par das actualizações.

 


publicado por Alvaro Faustino, em 25.10.12 às 13:23link do post | | adicionar aos favoritos

 

Com vista a melhorar o acesso aos vários links de interesse, coloquei uma lista de links mais completa, mais ordenada e de melhor acesso. Espero assim poder alcançar uma maior prestação na ajuda a quem procura informações.

 

Para continuarem a seguir esta comunidade, esclarecer dúvidas, fazer perguntas ou simplesmente ajudar, sigam-nos aqui neste Blog Portugueses na Holanda e também pelo Facebook na página Portugueses na Holanda Facebook e mantenham-se sempre a par das actualizações.


publicado por Alvaro Faustino, em 24.10.12 às 19:50link do post | | adicionar aos favoritos (1)

Com vista a um melhor entendimento, aqui está uma imagem de um exemplo de um curriculum vitae em holandês, com a devida tradução em português dos principais pontos.

 

 

Para continuarem a seguir esta comunidade, esclarecer dúvidas, fazer perguntas ou simplesmente ajudar, sigam-nos aqui neste Blog Portugueses na Holanda e também pelo Facebook na página Portugueses na Holanda Facebook e mantenham-se sempre a par de actualizações.


publicado por Alvaro Faustino, em 23.10.12 às 21:31link do post | | adicionar aos favoritos

O Facebook alterou a visibilidade das páginas.

Para poder ver todas as actualizações da nossa página no seu mural deverá seguir estes passos:

1. Aceder à página Portugueses na Holanda no Facebook;
2. Passar o rato sobre o botão Gostei / Liked e clicar em Adicionar a Lista de Interesses / Add to Interest Lists.

 

Pode assim continuar a receber as actualizações desta comunidade, calmamente na sua página pessoal.


publicado por Alvaro Faustino, em 23.10.12 às 14:22link do post | | adicionar aos favoritos

Mais oportunidades e vagas de trabalho na Holanda em www.net-empregos.com/holanda.

 

Sigam-nos também no Facebook.


publicado por Alvaro Faustino, em 22.10.12 às 16:55link do post | | adicionar aos favoritos

Para quem procura e se candidata a vagas de trabalho na Holanda é sempre bom preencher um Curriculum Vitae em holandês. Para aqueles que ainda têm alguma dificuldade no idioma, deixo aqui uma imagem com um exemplo de um Curriculum Vitae no idioma holandês.

 

Espero assim poder ajudar de alguma maneira.

 

 

Para continuarem a seguir esta comunidade, esclarecer dúvidas, fazer perguntas ou simplesmente ajudar, sigam-nos neste Blog Portugueses na Holanda e na rede social Facebook em  Portugueses na Holanda Facebook. Para uma versão melhorada, com tradução em português, clique aqui.


publicado por Alvaro Faustino, em 21.10.12 às 13:46link do post | | adicionar aos favoritos (1)

A aprendizagem da língua é provavelmente o passo mais importante para uma integração mais profunda na sociedade do país que o acolhe. Sendo assim, tentarei neste artigo facultar uma ajuda na procura de um local, onde se possa aprender a língua holandesa.

Antes demais, existem algumas mudanças nas leis holandesas em relação à língua. Uma delas é que só poderão usufruir de algumas ajudas sociais se souberem a língua, outra é que a aprendizagem subsidiada pelo Estado, passará a ser realizada mediante o pagamento de uma caução, devolvida no final do curso, com um resultado positivo nos exames finais. Passaremos então a explicar o conceito do "inburgeringscursus".

 

O "inburgeringscursus" (A1, NT1 e A2, NT2) é a forma de ensinar a língua e o modo de vida holandeses aos imigrantes e uma obrigatoriedade a pessoas fora do UE para uma permissão de residência na Holanda ou para um pedido de nacionalidade. No caso de portugueses é uma opção, mas que deve ser realizada para um acesso mais vasto ao mercado de trabalho.

 

Este curso, para quem ainda se encontra em Portugal, mas pensa em emigrar para a Holanda, pode ser pedido num Consulado ou Embaixada da Holanda em Portugal.

Para quem já se encontra na Holanda, pode ser pedido na Gemeente da sua área de residência ou numa instituição com apoio governamental para esse efeito, no meu caso em particular, através da Tornante Trainingen, em Goudsesingel 317 3032 EN Rotterdam ou em, www.tornantetrainingen.nl Esta é a forma mais barata de aprender a língua, embora hajam algumas obrigações, nomeadamente, a obrigatoriedade de comparecer ás aulas.

Depois temos o mercado privado, existindo várias escolas e organizações para o efeito, podendo ser encontradas por todo o país. Aqui, uma página onde poderão encontrar algumas escolas e organizações que facultam esse ensino, o seu contacto e qualidade de serviço: http://www.blikopwerk.nl/inburgeren/kwaliteitsgids 

Existe depois a opção de um curso online ou através de pessoas singulares que ajudam a aprendizagem do idioma, em várias cidades, mas infelizmente não tenho contactos de ninguém. Peço assim a alguém com esta informação, que partilhe com todos, seja através do blog como também pelo Facebook.

 

Adenda de 22-10-2012, podem também consultar a página do "inburgeringscursus" do Ministério da Educação e Cultura Holandes (Ministerie van Onderwijs, Cultuur en Wetenschap - Dienst Uitvoering Onderwijs) para mais informações em www.inburgeren.nl

 

Para acabar, quero apenas dizer que as pessoas devem ter iniciativa própria, uma virtude muito bem vista pelos holandeses, para encontrarem aquilo que querem, mas como o idioma holandês é tramado, esta é a forma que encontrei para vos ajudar. Para quem estiver interessado numa procura mais profunda, a palavra "inburgeringscursus" é a chave para uma procura num motor de busca na internet.

 

Para continuarem a seguir esta comunidade, esclarecer dúvidas, fazer perguntas ou simplesmente ajudar, sigam-nos no blog www.portuguesesnaholanda.blogs.sapo.pt e na rede social Facebook em  www.facebook.com/portuguesesholanda

 

Tot ziens.


Entre em Contacto
Portugueses na Holanda no Facebook
pesquisar
 
Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
20


28
30
31


Links de Interesse
blogs SAPO
subscrever feeds