O principal meio de informação em português na Holanda. Notícias, informação e ponto de encontro da comunidade portuguesa. Também pelo Facebook em www.facebook.com/portuguesesholanda
publicado por Diana, em 15.01.18 às 20:13link do post | | adicionar aos favoritos

imagem: Omroep Brabant

imagem: Omroep Brabant



Quando chegamos a outro país, principalmente sendo este um membro da União Europeia, muitas vezes pensamos que todos os nossos documentos são válidos, à partida. Essa poderá ser a regra, mas no caso da carta de condução há algumas regras específicas a cumprir.

Segundo o site da RDW (Dienst Wegverkeer), se for portador de uma carta de condução emitida num dos países da UE ou da EEE - Espaço Económico Europeu (Suiça, Liechtenstein, Noruega e Islândia), poderá continuar a usá-la na Holanda por um período máximo de:

- 15 anos* nas categorias AM, A1, A2, A, B e BE;

- 5 anos* nas categorias C1, C, D1, D, C1E, CE, D1E e DE.

* contado a partir da data de emissão da carta no país de origem

 

No entanto, se aquando da sua inscrição de residência na Holanda esse período já tiver expirado ou for inferior a 2 anos, poderá continuar a usar a sua carta pelo período máximo de 2 anos a contar da data oficial de inscrição de residência no neste novo país.

Exemplo:

A sua carta foi emitida em janeiro de 2002 em Portugal, há 16 anos, portanto.
Inscreveu-se como residente na Holanda em janeiro de 2017.
Segundo a regra dos 15 anos (nas categorias mais baixas) não poderia usar a carta na Holanda.
No entanto, uma vez que a diferença entre o prazo máximo (15 anos) e a sua emissão (16 anos) é menor que 2 anos, pode continuar a usá-la, no máximo, até janeiro de 2019, desde que esta seja ainda válida.

Carta emitida na UE/EEE depois da inscrição na Holanda
Se a carta for emitida/renovada no país de origem (EU/EEE) já depois de estar inscrito na Holanda (BRP - Basisregistratie Personen), não pode conduzir na Holanda com esse documento. Deverá fazer o pedido para mudar a carta. Pode fazer esse pedido na Câmara Municipal (Gemeente) onde está inscrito, e este será automaticamente encaminhado para o RDW.

 

Carta emitida fora da UE/EEE

Se tiver uma carta de condução ainda válida que tenha sido emitida por um país fora da EU/EEE, poderá continuar a usar a carta até um período máximo de 185 dias a contar da data de inscrição na Holanda. Depois desse período só poderá conduzir com uma carta de condução emitida na Holanda.
Em alguns casos (ver aqui) poderá "trocar" por uma carta holandesa, noutros casos poderá ser exigido que faça de novo os exames teóricos e práticos.

 

Mudar a carta de condução para a Holanda

a) carta de condução emitida por um dos países da UE/EEE
Para poder "trocar" a sua carta por uma carta válida na Holanda, terá de obedecer aos seguintes requisitos:

- estar inscrito na BRP - Basisregistratie Personen;
- possuir um visto de residência, se for o caso;
- possuir uma carta de condução emitida por um dos países da UE/EEE ou um dos países indicados no site (ver link);

- a carta de condução estar ainda válida. No caso de ser uma carta Europeia, poder estar expirada mas necessita de uma declaração da entidade responsável do país em causa (em Portugal o IMT), onde esteja mencionado que não há nenhuma objecção para que a carta seja emitida na Holanda.


b) carta de condução emitida fora da EU
No caso da carta ter sido emitida fora da EU, terá de obedecer aos seguintes requisitos:

- no ano em que foi emitida a carta, ter residido no mínimo 185 dias nesse país de emissão. Isto poderá ser demonstrado pela cópia de um destes documentos: passaporte, declaração da entidade empregadora nesse país, recibos de vencimento ou de IRS que provem a sua estadia;

-obedecer às regras de idade mínima para determinada categoria, de acordo com a lei holandesa. As categorias adquiridas nesse outro país fora da UE não transitam automaticamente para a nova carta se as leis relativas à idade mínima forem distintas. A lei holandesa é a que prevalece.

 

Para esclarecimento de dúvidas que não estejam aqui descritas, aconselhamos a consulta da página oficial da entidade holandesa RDW (link).

De qualquer forma, deverá sempre informar-se primeiro junto da Câmara Municipal (Gemeente) ou RDW, para confirmar se esta informação aqui descrita ainda se encontra válida aquando do seu pedido de nova carta.


publicado por Alvaro Faustino, em 30.12.17 às 08:00link do post | | adicionar aos favoritos

 

Para os que ficam em casa, como eu, a notícia não será do interesse. Mas para os foliões de Fim de Ano, será importante esta informação sobre os transportes públicos durante e depois da Passagem de Ano.

Nos grandes centros, mas também um pouco por toda a Holanda, os transportes públicos deixam de fazer serviço à mesma hora. Ás 20:00 do dia 31 de Dezembro, as empresas de transportes encerram os seus serviços. Por isso, para quem se quer deslocar para alguma cidade para a Passagem do Ano, terá de o fazer até ás 20:00.

 

Amsterdam

NADA. Não haverá um único tram, bus ou metro a circular na cidade. Nem sequer os barcos que fazem a travessia do IJ, com a excepção do Buiksloterwegveer. Só na Segunda-feira o serviço retomará em horário normal de Domingo, incluindo os serviços de autocarro nocturno, que apenas não circularão nos locais fechados ao trânsito.

Mais informações: GVB

 

Rotterdam

A cidade recebe mais uma vez o Fogo de Artificio oficial da Passagem de Ano da Holanda. Também aqui não circularão bus, tram e metro. A excepção será dois serviços de metro (linhas C e E) entre as 22:00 e as 02:00 e que terá estacionamento gratuito em algumas estações fora do centro da cidade. As entradas estarão abertas e as viagens gratuitas. Na Segunda-feira os serviços retomam em horário normal de Domingo.

Mais informações: RET

 

Den Haag

Por volta das 20:00 partem os último serviços de bus e ás 20:30 os últimos tram. No dia seguinte, só a partir das 09:00 começam a circular os primeiros transportes.

Mais informação: HTM

 

Utrecht

Também aqui, por volta das 20:00 partem os últimos serviços de bus e tram. Durante a madrugada da passagem de ano não circularão autocarros nocturnos. O serviço é retomado na Segunda-feira com tabela normal de Domingo.

Mais informação: U-OV

 

 

 

Holanda

A informação das principais companhias de transporte na Holanda é a seguinte.

Arriva

Os comboios e autocarros operados pela Arriva param o serviço a partir das 20:00. No dia 1 de Janeiro, retomam o serviço normal com tabela horária de Domingo.

Mais informação: ARRIVA

 

Connexxion

Tem o mesmo plano de terminar os serviços de bus e tram ás 20:00 em todo o país, mas com algumas excepções.

  • Amstelland-Meerlanden, terá serviço até 22:00/22:30, mas nem todas as linhas farão o percurso normal. Deverá confirmar aqui o seu percurso. Nesta região a linha 190/N90 circulará toda a noite a cada 10 minutos.
  • Haarlem-IJmond, com últimas partidas ás 20:00. Linha N30 fará serviço a partir das 01:00 a partir de Amsterdam Bijlmer-Arena para IJmuiden via Schiphol e Haarlem.
  • Noord-Holland Noord, linha 31 parte ás 20:00 de Den Helder Station Zuid e fará toda a rota. Linha 33 parte ás 20:12 de Den Helder Station e ás 20:23 de Den Helder Steiger TESO.
  • Zaanstreek, os serviços param entre as 20:00 e as 21:00. Linha N90 inicia serviço ás 01:30, 02:35, 04:05 e 05:10 de Prins Hendrikkade para Zaandam NS, com paragem apenas em Zaandam, De Vlinder.

Quanto aos comboios operados pela Connexxion.

  • De Amersfoort para Ede-Wageningen, o último comboio parte ás 19:39.
  • De Ede-Wageningen para Amersfoort, o último comboio parte ás 20:23.

Dia 1 de Janeiro, todos os serviços funcionarão com horário normal de Domingo. 

Mais informação: CONNEXXION

 

Veolia

Desde 1 de Junho que esta companhia foi adquirida pela Connexxion.

 

NS

A empresa nacional de comboios interrompe os serviços ferroviários por volta das 20:00, quando partem os últimos comboios para os seus destinos. A partir da 01:00, o primeiro comboio de 2018 parte de Rotterdam Centraal. A partir desta hora, os comboios nocturnos fazem o horário normal. Durante o dia de 1 de Janeiro, estará em uso o horário normal de Domingo.

Mais informação: NS

 

E para terminar, festejem em casa, na rua ou numa festa privada, na Holanda ou em Portugal.

FELIZ 2018

 

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


publicado por Portugueses na Holanda, em 28.12.17 às 08:00link do post | | adicionar aos favoritos

A meio das festas de Inverno, nada melhor do que falar da personagem BOB. Quem conduz pela Holanda, conhece a publicidade típica desta figura:

BOB faz parte de um programa para consciencializar os condutores dos perigos da condução sob o efeito do álcool. Nasceu na Bélgica em 1995 e foi adoptado pela Holanda em 2001 com os mesmos objectivos.

Também na época dos festivais de Verão é possível encontrar esta publicidade ao longo das estradas, nas televisões e rádios e pretende que, numa saída entre amigos ou família, uma pessoa habilitada a conduzir, não tenha consumo de álcool e que assim possa transportar em segurança os restantes até aos seus lares. 

 

Significado de BOB

Embora possa ser associado a "Bewust Onbeschonken Bestuurder", que pode ser traduzido para algo como "Condutor Consciente Não Alcoolizado", BOB é apenas uma figura ou personagem e qualquer um de nós pode ser um BOB. Para isso, basta não consumir álcool durante uma festa, encontro com amigos ou colegas de trabalho.

 

Perigos e Consequências

Os perigos da condução sob efeito do álcool são do conhecimento de todos, mas mesmo assim, ainda há quem arrisque e por vezes é a última vez que o fazem.

Depois de ingerido, o álcool demora apenas 10 minutos a chegar ao nosso cérebro e na Holanda, bastam apenas 0.2 de permilagem para condutores encartados há menos de 5 anos, sofrerem as consequências na carteira. 0.2 atinge-se facilmente com apenas um copo.

 

O risco de acidente também aumenta.

  • 1 em cada cinco vítimas de acidentes, são-no devido ao álcool.
  • Em 2016 houve 629 vitimas mortais de acidentes de viação na Holanda. 125 estavam sob influência de álcool.
  • Também em 2016 houve 21.400 feridos graves. A mesma proporção de um em cinco mantém-se. 4280 dos feridos graves estavam sob influência do álcool. Não apenas com o automóvel, mas também contabilizados em velocípede ou mota.

 

O risco para a carteira.

  • Para os encartados há menos de 5 anos, a taxa legal de álcool no sangue é de apenas 0.22 de permilagem. Acima disso e até aos 0.80, a multa a pagar começa nos 300 Euros, com a possibilidade de perda de carta.
  • Para os encartados há mais tempo, o limite começa nos 0.54 e até aos 0.80, a multas começam nos 325 Euros.
  • Para permilagens entre os 0.81 e os 1.00, as multas começam nos 425 Euros.
  • Para permilagens entre os 1.01 e os 1.15, as multas começam nos 550 Euros.
  • Para permilagens entre os 1.16 e os 1.30, as multas começam nos 650 Euros.

Em todos os casos, somam-se os custos de administração e a possibilidade de perda de carta ou pena de prisão, conforme a gravidade das situações.

  • Acima dos 1.30, o próximo encontro é com um juiz que decidirá a pena a cumprir pelo prevaricador.

 

Valor de multas e permilagem - Openbaar Ministerie Ministério Público

Dados sobre vitimas de acidentes - SWOV Instituto Cientifico para o Estudo da Segurança Rodoviária

Sobre BOB - Rijksoverheid Governo Holandês

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda

 


publicado por Portugueses na Holanda, em 25.12.17 às 09:17link do post | | adicionar aos favoritos

 

Estando ocupados a festejar as nossas tradições natalícias, em Portugal e na Holanda, estamos mentalmente em modo natalício português e nem nos apercebemos dos holandeses e das suas tradições da época.

Tal como nós, as tradições holandesas foram sofrendo interferências estrangeiras, especialmente americanas e inglesas, que mudaram um pouco a forma como se festeja o Natal. Pretendemos assim mostrar neste artigo natalício, o que era e o que é a tradição holandesa no Natal.

 

Como é evidente, o Sinterklaas continua a ser uma tradição holandesa com grande força. Em muitos lugares, destronando o Pai Natal como imagem de Natal. Hoje em dia, a tradição do Sinterklaas sofre de uma grande pressão para uma mudança, nomeadamente a figura do Zwart Piet, associado por muitos à escravatura de outros tempos. Mas voltando ao Natal propriamente dito, eis as tradições holandesas neste período, onde todas as cidades se decoram a rigor.

 

Árvore de Natal

A Árvore de Natal foi introduzida na Holanda no século 19 e ainda hoje é presença nas casas holandesas. Hoje, usam-se mais as árvores de natal em plástico, com 41%, mas as verdadeiras ainda ocupam 34% das casas. Logo depois do Dia do Sinterklaas, a 5 de Dezembro, os holandeses enfeitam as suas árvores e casas com decorações natalícias.

 

Prendas de Natal

Uma introdução americana e inglesa, as prendas ficam tradicionalmente debaixo da Árvore de Natal. Nas semanas anteriores ao Natal, são compradas, embrulhadas e deixadas debaixo da árvore até à manhã de 25 de Dezembro, quando são tradicionalmente entregues e abertas. A diferença entre o Sinterklaas e o Natal é pouca. Muitos holandeses, 45%, não gastam mais de 50 Euros em prendas de Natal.

 

O Natal Branco

Esta é uma tradição fora do controle humano, mas é o sonho de cada holandês, celebrar o Natal com neve. Recentemente, apenas em 2009 e 2010 isso foi possível. Este ano, embora tenha nevado bastante duas semanas antes do Natal, a temperatura subiu e tornou este Natal um dos mais quentes em anos e sem qualquer vestígio de neve. Talvez para a Passagem de Ano, já que para Quinta e Sexta feira, a previsão é de neve. Para quem já celebrou um Natal com neve, a verdade é uma: O Natal torna-se mais mágico.

 

O Jantar de Natal

A noite de 24 de Dezembro e os dias 25 e 26, são dias de repasto. Tal como nós, 90% celebram o jantar com mesa cheia e em casa com familiares e amigos, onde apenas o menu é diferente. Não encontramos o tradicional bacalhau ou polvo nas mesas holandesas. A escolha são as carnes gourmet e luxe e o peru. 36% dos holandeses preferem comprar as refeições e doces previamente preparados, gastando entre 15 e 25 Euros por pessoa. Dos que preferem confeccionar em casa, um terço passam de uma a duas horas na cozinha e os restantes de três a quatro horas na confecção.

Quanto a doces, são usados bolos de amêndoa amarga, pepernoten, tartes, speculaas, uma espécie de biscoitos feitos no forno com manteiga, canela e outras especiarias e em que a massa é moldada com moldes de figuras e imagens tradicionais holandesas ou natalícias, panquecas e stroopwafels.

O jantar de Natal também é celebrado com roupas festivas. 59% dos holandesas gostam de se apresentar no jantar com roupa festiva e alguns, 6%, dizem mesmo comprar algo novo para a celebração natalícia.

 

Celebrações Religiosas

67% dizem não celebrar o Natal de forma religiosa. Apenas 8% afirma atender ás celebrações religiosas natalícias, sendo que apenas um quarto deste valor o faz de forma diária para além do Natal.

 

Cartões de Natal

Aqui sim, uma tradição sem diferenças desde 1873, quando se iniciou. O envio de cartões de Natal é uma tradição que continua a ser uma das mais carismáticas na Holanda. São milhares e milhares de cartões de Boas Festas enviados nesta altura a familiares e amigos. Os Serviços de Correios são obrigados até a colocar mais pessoas para a separação, distribuição e entrega dos postais nestes dias. Em todas as lojas se encontram estes cartões, mas os preferidos continuam a ser os feitos em casa pela própria pessoa.

 

Mercados de Natal

Um pouco por toda a Holanda podemos encontrar estes mercados de Natal durante o mês de Dezembro e até ao inicio de Janeiro. Decorados com gigantescas árvores de Natal e enfeitados com luzes, encontramos à venda os famosos doces de Natal holandeses devidamente acompanhados pela bebida de Inverno holandês, o Choco mel quente. Várias brincadeiras para miúdos e graúdos, onde a pista de gelo é presença habitual ou não fosse a patinagem no gelo, o passatempo de Inverno preferido dos holandeses.

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


publicado por Alvaro Faustino, em 11.11.17 às 10:04link do post | | adicionar aos favoritos

 

Chegamos a Novembro e com ele o conhecimento dos novos preços e coberturas dos Seguros de Saúde. Como a maioria deve saber, o Seguro de Saúde na Holanda é obrigatório para todos os que vivam no país e apenas uma vez por ano o podemos mudar.

 

Algumas companhias já o fizeram, mas até ao dia 12, todas as seguradoras deverão ter informado os seus segurados das mudanças das suas apólices.

As novidades

Para já, o que se conhece das novidades para 2018 são:

  • O "eigen risico", a franquia obrigatória dos seguros, mantém-se nos 385 Euros. Apenas uma seguradora, a DSW, terá uma franquia de 375 Euros, mas os segurados terão a obrigatoriedade de usar serviços médicos escolhidos pela seguradora.
  • Os preços mensais do prémio de seguro dos pacotes básicos deverão subir cerca de 7 Euros por mês.
  • Os descontos sobre o rendimento para o Sistema de Saúde também aumentam ligeiramente. De 6.65% para 6.90% para os trabalhadores e de 5.40% para 5.65% para reformados.
  • Também o "Zorgtoeslag", o Subsidio de Seguro, terá um aumento. Para além do aumento percentual igual ao aumento dos prémios de seguro, terão também um aumento dado pelo Governo para que haja realmente um poder de compra maior por parte das famílias. Assim sendo, os novos valores serão: Pessoas Singulares - um aumento de 132 Euros, passando para 1197 Euros anuais. Para Famílias - um aumento de 196 Euros, passando para 2237 Euros anuais.
  • Pacotes básicos expandidos. Estes pacotes são iguais para todas as seguradoras e para o próximo ano terão as seguintes adições: 
    • Compensação para terapia de 12 tratamentos para pacientes com osteoartrite nas articulações do quadril e joelho.
    • Reembolso para transporte hospitalar sentado e tratamento para pacientes oncológicos que recebem imunoterapia.
    • Indemnização pelo cuidado de menores associados à assistência médica da criança.
    • Remuneração do medicamento Orkambi para o tratamento da doença da glândula tiróidea (fibrose cística).
  • A enfermagem domiciliária recebe um orçamento extra de 435 milhões de Euros.

Novo Seguro

Sendo o dia 12 de Novembro a data que ficará a conhecer os novos preços, tratamentos, valores e cláusulas dos seguros de saúde para 2016, poderá depois escolher o que melhor achar e mudar para uma seguradora nova. Mas há regras que são importantes de seguir.

Uma vez que só podemos mudar de seguradora de saúde uma vez por ano, teremos de ter cuidado com a nova seguradora que contratamos.

O mais importante a ter atenção é ao tipo de apólice que contrata. Existem dois tipos:

  • Restitutiepolis - Onde o segurado pode escolher livremente o prestador de serviços de saúde. Pode assim escolher o que estiver mais perto de sua casa ou no qual tem mais confiança.
  • Naturapolis - Onde o segurado tem escolher o prestador de serviços de saúde a partir de uma lista com os quais a seguradora tem contrato. Se o segurado escolher um prestador de serviços de saúde, com o qual a sua seguradora não tem um contrato, o segurado poderá não ter uma restituição completa dos gastos de saúde nesse prestador de serviços.

Outro ponto importante é aos extras que podemos contratar com o novo seguro. O basispakket é igual para todos, apenas os preços mudam ligeiramente, mas os pacotes extras podem diferir bastante. Os pacotes extras podem incluir, por exemplo, tratamentos de fisioterapia, medicinas e tratamentos alternativos, possibilidade de tratamento no estrangeiro, pagamento de óculos, etc... Tal como as possibilidades extras variam de seguradora para seguradora, também os valores são diferentes.

Por fim, o tratamento de dentes. O acesso a dentista faz parte de um outro pacote extra que varia consideravelmente de seguradora para seguradora. Tal como os pacotes extras, também aqui diferem em alternativas e preços.

 

Denúncia (opzeggen)

Depois de ficar a conhecer todos os prós e contras e de escolher a sua nova seguradora, poderá denunciar o contrato com a anterior. Esta denúncia de contrato terá de ser realizada até 31 de Dezembro inclusive, através de email, carta registada, com a ajuda do serviço de mudança da nova seguradora ou com a assistência de uma página online de serviços de comparação de seguros.

 

Mudança (overstappen)

A mudança para a nova seguradora terá de ser realizada até 31 de Janeiro inclusive. Se o fizer depois desta data, poderá receber uma multa por falta de seguro obrigatório de saúde. Se apenas pretende contratar um seguro básico, o melhor é fazer-lo a partir da ultima semana do ano.

Se contratar igualmente um pacote extra, tenha em atenção que a nova seguradora poderá recusar o contrato. As companhias de seguro não poderão recusar novos contratos dos pacotes básicos, mas sobre os extras poderão recusar ou cobrar um valor superior se a pessoa for mais velha ou sofrer de doença crónica.

 

A Escolha

O mecanismo mais fácil e rápido para fazer a escolha e mudança é através de um zorgvergelijker, um comparador de seguros de saúde. Apenas temos de introduzir os nossos dados e é-nos apresentada uma lista com os seguros mais baratos disponíveis para as nossas escolhas, região, idade e sexo, podendo depois fazermos uma comparação entre eles em relação a qualidade, coberturas e opiniões de outras pessoas.

Estes são os três locais mais usados para comparação de seguros de saúde:

Para uma justa comparação, faça-a a partir de 12 de Novembro, data em que todos as seguradoras terão comunicado os novos preços para 2018.

 

Esta é uma informação retirada da Associação de Consumidores Holandesa, a Consumentenbond (holandês).

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


publicado por Portugueses na Holanda, em 21.10.17 às 16:45link do post | | adicionar aos favoritos

 

Já chegamos tarde ao evento de hoje (mea culpa, mea culpa), mas haverão mais nos próximos meses.

Apadrinhados pela Biblioteca Infantil de Roterdão, irão realizar-se em Leiden, leituras infantis em português para os mais pequenos na Biblioteca e Centro de Arte e Cultura de Leiden (BplusC), situada na Nieuwestraat. As leituras serão em voz alta e destinam-se a crianças até aos 6 anos.

A primeira sessão foi hoje, 21 de Outubro, mas haverá uma sessão no terceiro Sábado de cada mês, entre as 10:30 e 11:30 e a entrada é gratuita.

 

Desta forma tenta-se estimular o gosto pelos livros e a aprendizagem da língua de Camões nos mais pequenos. 

 

Aproveitamos para relembrar que no próximo dia 29 de Outubro a partir das 10:00, também a Biblioteca Infantil de Roterdão, na Mauritsstraat, terá mais uma sessão de leitura de história e trabalhos manuais, com o tema Halloween.

 

Mais informações:

Leituras em Leiden: Agenda

Leituras em Rotterdam: Biblioteca Infantil Roterdão

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


publicado por Portugueses na Holanda, em 21.10.17 às 11:53link do post | | adicionar aos favoritos

 

Esta sim, a verdadeira geringonça. À holandesa, tal como é habitual na democracia do país.

Esta intitula-se de Rutte III. Pela terceira vez, Mark Rutte do partido VVD ganha as eleições e como é habitual, não há maioria para ninguém. Há que negociar e convidar outros partidos.

 

Nas últimas eleições, Mark Rutte perde lugares e por isso são precisas negociações entre quatro partidos. VVD, CDA, D66 e GroenLinks entram em negociações. Estas falham. GroenLinks não chega a acordo em algumas matérias, nomeadamente em relação a refugiados e abandona a mesa. Coloca-se então o problema. São necessários quatro partidos para se formar uma maioria governativa. Quem convidar para as negociações? Mark Rutte não aceita de maneira nenhuma o PVV de Geert Wilders e a sua política populista contra a imigração, embora tenha sido o segundo partido mais votado.

VVD, CDA e D66 convidam então o ChristienUnie, a União Cristã, para as negociações.

Depois de mais de 200 dias de negociação, chegam a acordo. Tornam-se assim o Governo que mais tempo levou a formar na Holanda. Ontem deram a conhecer os 16 ministros de 4 partidos que irão estar à frente do Governo.

 

Os Partidos Políticos

São quatro a formarem este Governo.

 

VVDVolkspartij voor Vrijheid en Democratie 

Literalmente, Partido Popular para a Liberdade e Democracia. Um partido liberal conservador de direita e que apoia o liberalismo económico. É liderado por Mark Rutte.

 

CDA Christen-Democratisch Appèl

Traduzido para Apelo Democrata Cristão. Partido de Centro-direita de ideologia cristã e conservadora. Liderado por Sybrand Buma.

 

D66Democraten 66

Democratas 66. Partido de espectro político do Centro (económico: Centro-direita; social: Centro-esquerda), com uma ideologia Europeísta e Social-liberalismo. Liderado por Alexander Pechtold.

 

CUChristen Unie

Vistos como Democratas Cristãos, intitulam-se como Sociais Cristãos. A União Cristã tem uma assinatura Protestante Ortodoxa, com políticas de Centro-esquerda em relação a assuntos sociais, mas bastante Conservadora em relação a assuntos como o aborto ou casamento homossexual. Um partido Euro-céptico mas de grande ideologia Ecologista.

 

Os Ministros

 

Apresentado pelo VVD como Ministro dos Assuntos Gerais e Primeiro Ministro da Holanda de um Governo de coligação do VVD, CDA, D66 e ChristenUnie.

Nome: Mark Rutte

Nascimento: 14 de Fevereiro de 1967 em Den Haag

Residência: Den Haag

Função anterior: Primeiro Ministro do governo VVD e PvdA

Estudos: Formado em História pela Universidade de Leiden.

Carreira: Em 1992 inicia funções na empresa Unilever como Director de Equipa da Calvé. Em 2002 é convidado para fazer parte do Governo Balkenende II como Secretário de Estado para os Assuntos Sociais. De 2004 a 2006 passa a Secretário de Estado da Educação no mesmo Governo. Depois disso, passa quatro anos como deputado do VVD na Tweede Kamer, o Parlamento holandês ou Câmara Baixa. Em 2010 ganha as eleições legislativas e forma Governo com o CDA e com o apoio do PVV (Rutte I). Em 2012 este Governo demite-se por falta de entendimento com o PVV. Volta a ganhar as eleições e formam Governo com o PvdA, o Partido Trabalhista (Rutte II).

 

Apresentado pelo VVD como Ministro dos Negócios Estrangeiros

Nome: Halbe Zijlstra

Nascimento: 21 de Janeiro de 1969 em Ooststellingwerf

Residência: Wassenaar

Função anterior: Presidente do grupo VVD na Câmara Baixa

Estudos: Sociologia pela Universidade de Groningen

Carreira: Trabalhou como Gerente de Conta e deputado pela Gemeente de Utrecht. Foi Director do Projecto Improvex. Em 2006 torna-se deputado pelo VVD na Câmara Baixa e fez parte da Comissão Parlamentar sobre a Renovação da Educação. Em Outubro de 2010 passa a Secretário de Estado da Educação, onde recebe várias criticas pelas suas ideias. Em 2012 torna-se Presidente do Grupo Parlamentar do VVD.

 

Apresentado pelo VVD como Ministro da Economia e Clima

Nome: Eric Derk Wiebes

Nascimento: 12 de Março de 1963 em Delft

Residência: Amsterdam

Função anterior: Secretário de Estado das Finanças

Estudos: Formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Tecnológica de Delft

Carreira: Iniciou carreira como Consultor na Shell. Em 2004 entra para o Ministério da Economia como Secretário-Geral. Em 2010 entra para a Direcção do Instituto dos Transportes e Mobilidade de Amsterdam. Quatro anos mais tarde, substitui Frans Weekers como Secretário de Estado das Finanças, onde recebe a pasta para a difícil renovação do Belastingdienst. Já teve divergências com o partido devido a pontos de vista diferentes, que o levaram a abandonar a filiação ao VVD por duas vezes.

 

Apresentado pelo VVD como Ministro da Saúde Pública, Bem-Estar e Desporto

Nome: Bruno Johannes Bruins

Nascimento: 10 de Julho de 1963 em Arnhem

Residência: Scheveningen

Função anterior: Presidente do Conselho de Administração da UWV

Estudos: Direito e Administração pela Universidade de Groningen

Carreira: Depois de finalizar os estudos trabalhou durante um longo período de tempo para a empresa de transportes de Den Haag , a HTM. De 2000 a 2006 foi inclusive o líder desta empresa. Em 2006 foi Secretário de Estado da Educação por um pequeno período de tempo. Em 2007 entra para a empresa de Transporte Connexxion e em 2012 entra para a Presidência do Conselho de Administração da UWV.

Enquanto na presidência da HTM foi acusado pelos partidos da oposição de ter conseguido o cargo através de amizades políticas.

 

Apresentado pelo VVD como Ministra da Infra-Estrutura e do Meio Ambiente.

Nome: Cornelia (Cora) de Nieuwenhuizen

Nascimento: 12 de Junho de 1963 em Ridderkerk

Residência: Oisterwijk

Função anterior: Membro do Parlamento Europeu

Estudos: Formada em Geografia Social pela Universidade de Utrecht

Carreira: Trabalhou num banco e ajudou na clínica veterinária do seu marido. Em Oisterwijk foi eleita deputada na Assembleia Municipal da cidade, seguindo-se a política provincial. Entre 2007 e 2010 foi deputada na Câmara Alta pela Província de Noord-Brabant, onde teve funções em assuntos de mobilidade, ordenamento do território e o Aeroporto de Eindhoven. De 2010 a 2014 esteve na Câmara Baixa como deputada pelo VVD. A partir de 2014 passa para a Europa como membro do Parlamento Europeu.

Uma fã fanática do Feyenoord de Rotterdam que não perde um jogo no estádio, tal como revelou numa entrevista recente.

 

Apresentado pelo VVD como Ministro da Segurança e Justiçaresponsável pelo poder judicial.

Nome: Sander Dekker

Nascimento: 9 de fevereiro de 1975 em Den Haag

Residência: Den Haag

Função anterior: Secretário de Estado da Educação, Cultura e Ciência

Estudos: Estudou Administração Empresarial na Universidade de Leiden

Carreira: Ficou na Universidade como Pesquisador e Docente. Em 2004 é Presidente do Grupo Parlamentar do VVD na Assembleia Municipal de Den Haag, onde em 2006 e 2010 concorreu pelas listas do VVD. Entre 2006 e 2010 fui Vereador em Den Haag para a Educação, Desporto e Juventude. Em 2012 passa a Secretário de Estado da Educação, Cultura e Ciência.

Devido a um acidente de bicicleta em 2013, onde partiu uma perna, cotovelo, costelas e um pulso, esteve afastado da Câmara Baixa apenas durante uma semana. Voltou logo ao trabalho, embora estivesse com os dois braços incapacitados e tinha de beber por uma palhinha durante os trabalhos no Parlamento.

 

Apresentado pelo CDA como Vice-Primeiro Ministro e Ministro da Saúde Pública, Bem-Estar e Desporto, responsável pelos cuidados prolongados.

Nome: Hugo de Jonge

Nascimento: 26 de Setembro de 1977 em Bruinisse

Residência: Rotterdam

Função anterior: Vereador na Educação, Juventude e Família em Rotterdam

Estudos: Formado como Professor do Ensino Básico

Carreira: Foi docente no Ensino Básico. Em 2004 entra na Câmara Baixa como membro do CDA e foi assistente político de dois Ministros da Educação. Fez parte da equipa de Gestão do Conselho de Educação, antes de se tornar Vereador em Rotterdam.

A sua carreira como Vereador começou devido a uma discussão sobre a anti-concepção obrigatória para mulheres com problemas psiquiátricos ou sem-abrigo.

 

Apresentado pelo CDA como Ministro das Finanças.

Nome: Wopke Bastiaan Hoekstra

Nascimento: 30 de Setembro de 1975 em Bennekom

Residência: Bussum

Função anterior: Parceiro no McKinsey Consulting Office em Amsterdam

Estudos: Direito Holandês pela Universidade de Leiden e formação pela INSEAD em Fontainebleau e Singapura.

Carreira: Trabalhou para a Shell de Rotterdam, Hamburgo e Berlim. Desde 2006 trabalha para a McKinsey e cinco anos depois consegue um lugar no CDA para a Câmara Alta. Em 2017 fez parte da comissão responsável pelo programa político do CDA.

Em 2014 foi o único deputado pelo CDA a votar a favor de uma proposta de igualdade de sexos, apresentada pelo partido D66.

 

Apresentado pelo CDA como Ministra da Defesa.

Nome: Anna Theodora Bernardina (Ank) Bijleveld-Schouten

Nascimento: 17 de Março de 1962 em IJsselmuiden

Residência: Goor

Função anterior: Comissária pelo Rei da Holanda em Overijssel

Estudos: Ciência Administrativa na Universidade de Twente

Carreira: Começa em 1986 na Gemeente de Hengelo como Vereadora. Em 1989 torna-se membro do CDA na Câmara Baixa, onde se torna Vice-Presidente do grupo parlamentar. Em 2001 torna-se Burgmeester, Presidente da Câmara, de Hof van Twente. Em 2007 regressa à Câmara Baixa onde se torna Secretária de Estado Adjunta do Interior. Em 2011 ingressa nas funções de Comissária pelo Rei da Holanda em Overijssel.

Conduziu as negociações entre CDA, VVD e PVV para a formação do Governo de Rutte I.

 

Apresentado pelo CDA como Ministro da Justiça, responsável pela polícia.

Nome: Ferdinand Bernhard Joseph Grapperhaus

Nascimento: 8 de novembro de 1959 em Amsterdam

Residência: Amsterdam

Função anterior: Advocacia em parceria com Allen & Overy e professor de direito do trabalho na Universidade de Maastricht, em tempo parcial

Estudos: Direito do Trabalho na Universidade de Amsterdam

Carreira: Fez a sua carreira em escritórios de advocacia como especialista em Direito no trabalho e Insolvências. Com várias publicações literários sobre o assunto, também é colunista no Financial Daily. 

Muito activo nas plataformas sociais e também autor num blog.

 

Apresentado pelo D66 Vice-Primeira Ministra e Ministra de Assuntos Internos e Habitação.

Nome: Karin Hildur (Kajsa) Ollongren

Nascimento: 28 de Maio de 1967 em Leiden

Residência: Amsterdam

Função anterior: Vereadora na Economia, Instalações Aero e Portuárias, Monumentos, Arte e Cultura e Meios de Comunicação Locais

Estudos: Formada em História pela Universidade de Amsterdam. Formação em Administração pela Ecole Nationale d'Administration em Paris.

Carreira: Iniciou-se no Ministério da Economia em Den Haag, onde esteve mais de vinte anos. Em 2006 fez parte das listas do D66 para a Câmara Baixa. Foi Secretária Geral do Ministro dos Assuntos Gerais e entre 2011 e 2014, braço direito do Primeiro-Ministro Mark Rutte. Depois disto, passou a ser Vereadora de Amsterdam.

Com dupla nacionalidade, holandesa e sueca. A sua mãe é Escandinava. Em Maio disse numa entrevista televisiva que não fazia sentido entrar em negociações com o partido Christen Unie, para a formação de Governo.

 

Apresentado pelo D66 como Ministra do Comércio Exterior e Cooperação para o Desenvolvimento.

Nome: Sigrid AM Kaag

Nascimento: 2 de Novembro de 1961 em Rijswijk

Residência: Beirute, Líbano.

Função anterior: Coordenadora Especial da ONU para o Líbano

Estudos: Formação em Língua e Literatura Árabes pela Universidade de Leiden. Continuou os estudos na Universidade Americano do Cairo.

Carreira: Trabalhou em Londres para a Shell e no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Este em missão em Israel nos territórios palestinos e Jordânia. Entrou para a ONU onde efectuou vários trabalho no Médio Oriente. Em 2013 recebe a missão para a destruição das armas químicas na Síria. Em 2015 muda-se para o Líbano em trabalho para a ONU.

Seu marido é antigo Embaixador na Suíça para os Territórios Palestinos e responsável pelos Acordos de Oslo. Fala seis idiomas fluentemente e é bastante activa no problema dos refugiados no Médio Oriente.

 

Apresentado pelo D66 como Ministro dos Assuntos Sociais e do Emprego.

Nome: Wouter Koolmees

Nascimento: 20 de Março de 1977 em Capelle aan den IJssel

Residência: Rotterdam

Função anterior: Membro da Câmara Baixa pelo D66

Estudos: Formado em Economia Social e Institucional pela Universidade de Utrecht

Carreira: Fez pesquisa para o Dutch Economic Institute / ECORYS. Depois disso, fez a transição para o Ministérios das Finanças, onde desde 2010 é representante nacional. Vice-Presidente do partido, teve também os assuntos imobiliários na sua pasta de tarefas.

Foi ele, em 1994, o responsável pelo baptismo do Governo PvdA, VVD e D66, como o Governo Roxo.

 

Apresentado pelo D66 como Ministra da Educação, responsável pela educação superior.

Nome: Ingrid Katharina de Engelshoven

Nascimento: 12 de Julho de 1966 em Delfzijl

Residência: Den Haag

Função anterior: Membro da Câmara Baixa pelo D66

Estudos: Formação em Direito da Holanda pela Universidade de Leiden e Direito Político pela Universidade de Groningen

Carreira: Entrou como Consultora no D66. Foi funcionária do Ministério da Infra-estrutura e Meio Ambiente e Directora da Fundação para Uso Responsável de Álcool, de 2004 a 2009. De 2007 a 2013 foi Presidente do partido e entre 2010 e 2017, vereadora da Educação em Den Haag.

Grande parte da sua juventude foi passada na Bélgica.

 

Apresentado pela Christen Unie como Vice-Primeira Ministra e Ministra da Agricultura, Qualidade e Regiões Alimentares.

Nome: Cornelia Johanna (Carola) Schouten

Nascimento: 6 de Outubro de 1977 em 's-Hertogenbosch

Residência: Rotterdam

Função anterior: Membro da Câmara Baixa pelo Christen Unie

Estudos: Formada em Administração Empresarial pela Universidade Erasmus de Rotterdam.

Carreira: Directora política do Ministério dos Assuntos Sociais e do Emprego. Juntou-se ao partido como oficial de contas. Como membro da Câmara Baixa também recebeu assuntos financeiros e económicos na sua pasta de trabalho. Juntamente com Wouter Koolmees do D66, apresentaram um projecto lei para ajudar as pequenas empresas a marcarem a sua posição no mercado imobiliário. Fez também parte da Comissão Parlamentar que fez a investigação à fuga de informação dos Serviços de Inteligência e Segurança, conhecido como o caso Stiekem.

É mãe solteira de um filho adolescente.

 

Apresentado pelo Christen Unie como Ministro da Educação, Ciência e Cultura, responsável pela educação primária e secundária.

Nome: Arie Slob

Nascimento: 16 de Novembro de 1961 em Nieuwerkerk no IJssel

Residência: Zwolle

Função anterior: Director do Historisch Centrum Overijssel e Stichting IJsselacademie

Estudos: Formado em História e Ciências Sociais pela Universidade de Groningen

Carreira: Trabalhou até 2001 no Gereformeerd Pedagogisch Centrum. Entrou depois na Câmara Baixa pelas mãos do partido GPV, que mais tarde se fundiu com o RPF para formarem o Christen Unie. De 2007 a 2015 foi membro do partido na Câmara Baixa, com apenas uma interrupção em 2010. Em 2016 regressa ao seu meio de estudo, no Historisch Centrum Overijssel em Zwolle.

Em 2009 lançou a proposta de nas escolas publicas se ensinar a História da Criação juntamente com a Teoria da Evolução.

 

Informação pesquisada e retira de várias fontes jornalisticas e online e compiladas em um único artigo.

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


publicado por Portugueses na Holanda, em 09.10.17 às 18:00link do post | | adicionar aos favoritos

 

De 10 a 12 de Outubro, Suas Majestades, Rei Willem-Alexander e Rainha Maxima da Holanda, visitam Portugal. Serão acompanhados por uma equipa de forma a estreitar laços económicos e de entre-ajuda no sector aeroportuário, aviação e energias renováveis. A visita conta com deslocações em Lisboa, Alverca, Sintra e Cascais.

 

Dia 10

Chegada a Lisboa de manhã, ao Mosteiro dos Jerónimos, onde o Presidente da Republica, Marcelo Rebelo de Sousa, recebe a comitiva holandesa. Visita ao Mosteiro e ao túmulo de Luís de Camões. Seguem para o Palácio de Belém onde se reunirão com o Presidente. Uma visita rápida ao Parlamento, onde se reunirão com o Presidente da Assembleia, Ferro Rodrigues. À tarde serão recebidos na Câmara Municipal, por Fernando Medina, de onde partirão em seguida em um eléctrico, para os bairros da Mouraria e Intendente, que visitarão e conhecerão vários projectos para a mobilidade nas cidades. O dia será encerrado com um banquete de estado, oferecido pela Presidência da Republica, no Palácio da Ajuda, onde o Presidente da Republica e o Rei da Holanda também farão um discurso.

 

Dia 11

Quarta-feira, começarão o dia com uma deslocação à Fundação Champalimaud, especialmente ao seu centro clínico, onde os Reis da Holanda tomarão conhecimento dos desenvolvimentos da luta contra o cancro. Os Ministros dos Negócios Estrangeiros de ambos os países acompanham a próxima paragem, na Universidade de Lisboa, onde falarão aos alunos sobre a Europa. Durante o almoço, serão acordados planos de cooperação entre os dois países. Da parte da tarde está prevista a deslocação ao Museu Nacional de Arte Antiga, onde irão inaugurar uma exposição com a contribuição do Rijksmuseum de Amsterdam. A tarde encerra com a recepção do Primeiro Ministro António Costa. Durante o serão a comitiva holandesa oferece um concerto no Teatro Nacional Dona Maria II que terá a participação da cantora holandesa Nynke Laverman e da fadista portuguesa Cristina Branco. No final o Casal Real faz as despedidas ao Presidente da Republica.

 

Dia 12

O dia começa com a deslocação a Alverca, ás instalações da OGMA, Industria Aeronáutica de Portugal, onde a comitiva holandesa estreitará laços de cooperação na indústria aeronáutica e aeroportuária. De seguida segue-se Sintra, onde conhecerão a Escola Nacional de Bombeiros. Aqui será demonstrado um programa de simulação desenvolvido pela Universidade de Delft. Ainda em Sintra, deslocam-se ao Palácio da Vila, onde almoçam. À tarde, visitam Cascais e recebem a comunidade holandesa que vive em Portugal.

 

Mais informação: Casa Real da Holanda (holandês)

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


publicado por Alvaro Faustino, em 07.10.17 às 10:55link do post | | adicionar aos favoritos

Cheguei a casa estes dias e encontrei isto na caixa de correio.

Imagem.jpg.jpeg

Fiquei curioso e decidi investigar para que queriam eles enviar-me pastilhas de iodo. Será que era por ser português e uma das coisas que mais sinto falta na Holanda é das aragens marítimas do nosso Portugal, convenientemente acompanhadas por um solinho bom e doses saudáveis de iodo? 

Abri a página www.waaromkrijgikjodiumtabletten.nl e descobri que afinal, não era com a minha falta de sol que estavam preocupados, mas sim com a eventualidade de radiação nuclear.

O QUÊ? Lembrei-me logo se a Coreia do Norte andava a fazer ameaças à Holanda. Mas não, nada disso.

 

O Ministério da Saúde e do Desporto da Holanda tem centralizados vários pacotes destas pastilhas de iodo para serem distribuídas em caso de emergência nuclear, isto porque existem vários reactores nucleares na e próximos da Holanda que, bem, podem ter um acidente e libertar radioactividade para a atmosfera. Por isso e para chegar mais rapidamente à população, decidiram distribuir esses mesmos pacotes de emergência pela população de risco, tal como pedido pela Agência Nuclear, que passo agora a explicar.

Central nuclear de Borssele 

Os Reactores

Existem na Holanda três reactores nucleares. Um é uma central em Borssele, na Zeeland e outros dois de investigação em Delft e em Petten. Para além disso existem mais três na Bélgica, próximos da fronteira com a Holanda, duas centrais, uma em Doel e outra em Hoei (Tihange) e um outro de investigação em Mol e mais uma central nuclear na Alemanha, em Emsland.

 

Os Grupos de Risco

Os grupos de risco dividem-se em duas categorias de idades, conforme a distância do reactor e serão estas pessoas a receber o kit de emergência. Todas as outras só receberão em caso de extrema necessidade. 

Localização Tipo

Grupo etário

dos 0 aos 41 anos

Grupo etário

dos 0 aos 18 anos

Borssele Central nuclear 0 - 20 km 20 - 100 km
Delft Central de investigação n/a 0 - 0.5 km
Petten Central de investigação n/a 0 - 3 km
    Bélgica  
Doel Central nuclear 0 - 20 km 20 - 100 km
Tihange Central nuclear n/a 20 - 100 km
Mol Central de investigação 0 - 20 km n/a
    Alemanha  
Emsland Central nuclear 0 - 25 km 25 - 100 km

 

Mapa de risco nuclear. O circulo mais pequeno representa o raio de 20 Km (25 Km para Emsland) e o maior o raio de 100 Km.

Não estão incluídas as centrais de investigação holandesas 

Como podem ver existem algumas diferenças nas distâncias e isso deve-se à capacidade de cada reactor. Acrescento também que dentro destas distâncias incluem-se mulheres grávidas, que poderão comprar nas farmácias um kit de emergência por um preço de 3 Euros. 

Avisam também que os kits de emergência se destinam apenas ás pessoas que estejam dentro dos grupo etários de risco e conforme as distâncias descritas e que estas pastilhas devem ser apenas tomadas em emergências nucleares e apenas quando as autoridades o disserem. Os efeitos secundários da toma de iodo em excesso também não são muito agradáveis, não.

Este iodo destinasse apenas para prevenir problemas na tiróide devido à radiação, sendo que são os menores de 18 anos os mais susceptíveis. Quanto mais velhos formos, menos hipóteses teremos de contrair problemas na tiróide devido à radiação, por isso e apenas a menos de 20 Km, as pessoas só até aos 41 anos receberão o kit.

 

Por isso, e para quem recebeu este aviso e vai receber estes kits de emergência, não se assustem. Não há guerra nuclear mundial. Quer dizer, pelo menos para já. Por isso guardem as caixinhas e entretanto, enquanto não chega o fim do Mundo, gozem a vida e a família.

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


publicado por Portugueses na Holanda, em 07.10.17 às 09:27link do post | | adicionar aos favoritos

 

 

A Mão Que Dá

A nova coligação prepara-se para governar o país. No acordo chegado na passada sexta-feira há novas propostas para os impostos directos e indirectos.

Uma destas propostas que poderá entrar em funcionamento em 2019 é a simplificação dos escalões de IRS (Belasting) sobre o rendimento do trabalho. Actualmente existem 4 escalões de IRS e a proposta da coligação é de apenas 2 escalões. Isso fará com que a maior parte dos salários médios e altos paguem menos impostos sobre o trabalho.

 

Na tabela da esquerda vemos a situação actual, na da direita a proposta apresentada pela coligação. Será assim uma redução de 5 mil milhões de Euros no IRS, deixando pouco espaço de manobra para o aumento de salário bi-anual, já que os rendimentos médios também irão ter uma tarifa mais baixa durante mais tempo. 

 

Para evitar uma maior diferença entre ricos e pobres que a nova tabela acentua, haverá também mudanças no que respeita ás hipotecas. As percentagens a pagar subirão consideravelmente.

 

A Mão Que Tira

Por outro lado, um país precisa dos impostos e para dar de um lado, terá de o tirar do outro.

Preparem-se por isso para um aumento da taxa de IVA (BTW).

A taxa mais baixa do IVA holandês é no momento de 6% e incide em produtos alimentares e de primeira necessidade. O aumento será de 3%, passando a taxa de BTW mais baixa para os 9%. A taxa de 21% manter-se-á igual.

 Quer isto dizer que produtos como leite, pão, fruta ou legumes, ficarão mais caros nos próximos tempos.

 

Outra medida apresentada é o novo esquema de acolhimento de refugiados. 

Refugiados que tenham o estatuto de permanência deixarão de ter o direito a receber os apoios monetários do Estado nos primeiros 2 anos, sejam eles Rendimento Mínimo (Bijstand), Subsidio de Renda (Huurtoeslag) ou Subsidio de Saúde (Zorgtoeslag). Continuarão a receber o apoio do Município na procura de habitação, seguro de saúde e ajuda no processo de integração.

 

Notícias em holandês:

NOS IRS

NOS IVA

 

Por uma comunidade forte, unida e informada.

Portugueses na Holanda Blog

Portugueses na Holanda Facebook

Grupo Trabalho na Holanda


Entre em Contacto
Portugueses na Holanda no Facebook
pesquisar
 
Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Links de Interesse
blogs SAPO
subscrever feeds